quarta-feira, 30 de maio de 2012

parte 01/04


Coragem! Toda empresa acerta e erra;
aprenda a gerenciar sucessos e fracassos

Empreender é ter coragem de jogar toda a sua vida e suas economias num projeto que acredite com tal intensidade que venha a descobrir ao longo de sua trajetória, muito antes do que imaginava, o quanto perdeu de tempo e dinheiro ao deixar que seu talento fosse aproveitado para gerar valor para terceiros.

Todos nós somos profissionalmente talhados para empreender.

Cada vez mais somos multifuncionais e agregamos valor todos os dias a cada decisão que tomamos. Para no fim do mês, recebermos um holerite fixo, muitas vezes já corroído pela inflação, alguns tapinhas nas costas e acompanharmos, à distância, os altos escalões da organização contabilizar os ganhos que ajudamos a gerar.

Empreender por conta própria exige muito mais do que o capital inicial. Exige coragem para se jogar num mundo no qual temos que nos antecipar às tendências e nos preparar para ajustar às expectativas do nosso nicho de mercado. Daí o medo e a insegurança, que nos fazem acomodar e sonhar com um emprego vitalício.

É possível tentar trabalhar ao longo de 35 anos numa mesma empresa e ser mais ou menos realizado pessoal e profissionalmente. A energia que você terá que usar para gerenciar as políticas internas, superar as pequenas maldades e as incorporações que a empresa fará ou se submeterá será imensa.

Todo esforço pode, de repente, ser em vão, pois você pode ser informado que se tornou redundante; a empresa pode falir ou o estresse continuado comprometer cronicamente seu coração e o invalidar para a função definitivamente.

O que o leva para nosso primeiro parágrafo e o fará se jogar com todo seu talento e ousadia no novo empreendimento com a esperança de conseguir, depois de algumas décadas, colher frutos que garantirão sua velhice e ainda sobrar alguma coisinha para deixar de herança.

Qual caminho seguir? O de empreendedor, é claro.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário